//
você está lendo...
Pensamentos

Quanto tempo o tempo tem

“O tempo perguntou pro tempo qual é o tempo que o tempo tem. O tempo respondeu pro tempo que não tem tempo pra dizer pro tempo que o tempo do tempo é o tempo que o tempo tem.” – Desconhecido

Esta semana o tempo rondou meus pensamentos. Coincidência ou não, dois amigos me recomendaram o documentário brasileiro “Quanto tempo o tempo tem“, de 2015. Cheio de provocações, difícil sair ileso dos quase 80 minutos de filme. E aí, tenho que concordar com Domenico de Masi – um dos entrevistados do documentário – se nada mudar sobre sua percepção do tempo após assistir o documentário, terá sido uma perda (ou um roubo) de tempo.

Imagem: Carla Douglass

A sensação de que o tempo passa mais rápido – e, segundo o documentário, está passando – nos convida ao eterno conflito: O que queremos fazer vs O que fazemos. Estamos sempre em algum lugar que não o agora, correndo atrás de algo intangível que insistimos em materializar.

Há alguns anos (quase 15!), li um livro que me marcou muito e, não raro, recorro a ele para me lembrar de olhar para o momento: Devagar, Carl Honoré. Passando por diversos temas como comida, música, medicina, sexo, trabalho, lazer e família, Carl Honoré relembra que não há depois se não houver agora.

Por um lado, traz a intensidade e contemplação do momento. Por outro, faz pensar se é este agora que queremos viver. Afinal, o tempo é o presente mais valioso que temos para compartilhar com alguém. Ainda ontem, ouvi a frase: Estar presente é um presente. Assim, olhar o tempo (o momento) é olhar como estamos desfrutando ele.

Quanto mais acelerados estamos, menos podemos ter esse olhar. E talvez, seja nisso que muitos se apoiem. Confesso que, muitas vezes, eu também. Acabamos nos rendendo a inércia das atividades e preocupações, sem nos permitir olhar se o que estamos fazendo é o que realmente importa.

A eterna luta entre Chronos e Kairós. Ambos, deuses do tempo, mas, enquanto Chronos é o controle, a tarefa, o compromisso; Kairós é o momento, o desfrute, a liberdade. Nem só um, nem só o outro. O segredo está no equilíbrio, no caminho do meio. Como diria Dédalo para ícaro: Não voe tão alto que o sol derreta as ceras das suas asas, nem tão baixo que o mar pese suas penas. Voe pelo caminho do meio.

E nesse equilíbrio de Chronos e Kairós, Compromisso e Liberdade, Pressa e Desfrute, que seguimos a driblar os ponteiros do relógio. Um tempo também aprisionado. Mas, ao aprisionar o tempo no relógio, nos tornamos prisioneiros dele.

“(…) O tempo é o tempo. E ele é preciso. Que o tempo-vida é precioso e é para ser apreciado cada instante dele. Às vezes dá certo, às vezes não dá. Às vezes o dinheiro vem, às vezes não vem. Mas viver, com intensidade, essa é a coisa mais preciosa que existe. Apreciando a vida, dar valor a cada instante da existência. Isso é que vale.” – Monja Coen

Sobre Hearts and Minds

Avessa a mudanças, tive a grata surpresa de descobrir que tudo pode mudar. Menos as coisas mais importantes da vida. Porque aquilo que não toca no coração, não fica na mente.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

E em 140 caracteres

Erro: Assegure-se de que a conta Twitter é pública.

%d blogueiros gostam disto: