//
você está lendo...
Diferenças Culturais

No Brasil

Depois de um ano e meio, voltamos ao Brasil. Durante a viagem fiquei fantasiando como seria. Muita expectativa e medo de não querer voltar. De me acabar num pote de requeijão, numa caixa de brigadeiro ou numa panela de feijão. Chorar sem parar ao rever os parentes e amigos que ficaram e muitos deles não pude ver pessoalmente durante esse tempo.

E aconteceu uma coisa muito estranha. Quando cheguei no aeroporto, a sensação era de que nada tinha acontecido. Era se como eu nunca tivesse saído daqui. A cidade cinza, com garoa, sujeira pela rua era exatamente a mesma. Até passar pelos primeiros buracos. Não me lembrava, ou lembrava, mas tinha me desacostumado com a irregularidade do asfalto. Ladeiras e buracos não faziam mais parte do meu dia a dia. Nem os motoristas agressivos e apressados, correndo atrás do tempo que não voltará mais.

Mas, desarmado de sua máquina, este mesmo motorista agressivo e impaciente é um ser extremamente solicito e simpático como há muito tempo não via nas ruas. De tudo que essa jornada me trouxe, perder o calor das relações humanas é uma das quais ainda tenho dificuldade de me adaptar. Mesmo com todos os problemas do país ou das características negativas do povo, a espontaneidade e alegria do brasileiro.

Tudo pode, tudo dá – para o bem e para o mal. Um bom dia, um sorriso. Em qualquer hora e qualquer lugar. E claro, a capacidade de transformar desgraça em graça…

Na farmácia, só eu desci. Quando voltei para o carro, um bate papo com o carro vizinho rolava animado.

“Você conhece?”

“Não.”

“O povo brasileiro tá mais simpático ou eu que tinha esquecido?”

Acho que eu tinha esquecido. E essa simpatia não tem fim.

“Moço, você sabe onde tem um mercadinho por aqui?” – me acostumando com a nova vizinhança

“Tá vendo aquele farol? Segue que logo depois tem um. Ali, onde a mulher picou o japonês…”

Feliz de estar de volta – ainda que seja só um pouquinho.

Anúncios

Sobre Hearts and Minds

Avessa a mudanças, tive a grata surpresa de descobrir que tudo pode mudar. Menos as coisas mais importantes da vida. Porque aquilo que não toca no coração, não fica na mente.

Discussão

2 comentários sobre “No Brasil

  1. Gostei do que li, queria saber o resto das impressões. Pra mim é exatamente mais do mesmo nos últimos 10 anos…a mesma sensação, e sempre o gostinho do quero mais…..

    Publicado por Ana Paula Soberanis | junho 13, 2012, 11:39 pm
    • Tem coisas que realmente estão impregnadas em nós e é difícil esquecer. A comida, o jeitinho (do bem!), festa junina, o calor humano… Mas tudo isso tem um olhar diferente agora. As coisas ruins, olho com muita pena. Com vontade de poder ajudar a fazer melhor. E as boas… as boas, ficam ótimas! Mas vou confessar, é claro que em algumas coisas já peguei a lógica do Tio Sam e é difícil aceitar como são aqui… O tempo, né, Paulinha? Só o tempo…

      Publicado por Hearts and Minds | junho 18, 2012, 2:44 pm

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

E em 140 caracteres

%d blogueiros gostam disto: