//
você está lendo...
Pensamentos

Teoria da relatividade

Essa semana, fez o dia mais frio de toda minha estada nos EUA e, seguramente, o mais frio da minha vida. Muito embora tenha saído pouco de casa, não senti o frio que lembrava ter sentido no inverno passado.

Fiquei pensando se tudo era relativo ou a capacidade de adaptação do ser humano é realmente algo tão incrível que nos faz amenizar as dores a medida que se tornam apenas lembranças.

Em fevereiro do ano passado, quando fui tirar alguns documentos, fazia a mesma temperatura que 4a feira desta semana (14˚F ou seja -10˚C, mas na internet dizia “feels like -14˚C”, o que tanto faz a essa altura). Tínhamos chegado aqui há pouco mais de um mês e tinha trazido todas as minha roupas de frio. E claro, nesse dia, vesti TODAS. Meu pai diria que mergulhei no guardarroupa e saí.

Tive que caminhar do meu carro até o escritório do meu marido, o que deu quase 2 minutos e senti um frio que poucos já experimentaram. Não é aquele frio entre o chuveiro e a toalha, entre sair do café e entrar no carro. É algo que começa a arder quando respira e, tudo que você lembrar da aula de biologia sobre o corpo humano, dói. Os ossos doem. A cabeça dói. O pé, a mão, o joelho, o cabelo, a unha. Tudo.

Mas agora, o frio é diferente. Porque, além das roupas e botas compradas aqui – desenhadas para as temperaturas daqui e não as de São Paulo – estamos mais acostumados. Isso sim é fato. Nossa referência mudou e me pego dizendo nos dias que a temperatura está entre 50˚F (por volta de 10˚C) “nossa, hoje não está tão frio”. E não é da boca para fora, estamos vestindo apenas camiseta de manga comprida e um moleton. Inimaginável há um ano atrás.

A boa notícia é que nos adaptamos a tudo e as dores se tornam experiências. E, com elas, aprendemos… a nos adaptar.

Fotos tiradas da janela da cozinha de casa em Janeiro/2011 e Janeiro/2012, respectivamente.

Anúncios

Sobre Hearts and Minds

Avessa a mudanças, tive a grata surpresa de descobrir que tudo pode mudar. Menos as coisas mais importantes da vida. Porque aquilo que não toca no coração, não fica na mente.

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

E em 140 caracteres

%d blogueiros gostam disto: